Dez instituições vão disputar quarta edição dos Jogos Jurídicos da OAB-AM

233

A Comissão de Aperfeiçoamento Jurídico da OAB-AM promove entre os dias 27 e 31 de maio  a quarta edição dos JOGOS JURÍDICOS que neste ano contará com a participação de 10 instituições de ensino superior públicas e particulares e reunirá 60 estudantes de Direito nas disputas. A competição prestará uma homenagem ao conselheiro federal José Alberto Ribeiro Simonetti Cabral. A abertura da programação será nesta segunda-feira, dia 27, às 14h, na sede da seccional, no bairro Adrianópolis.

O evento que faz parte do calendário anual da OAB-AM tem o objetivo de fomentar a visão crítica dos participantes e ouvintes ao promover um concurso de debates envolvendo temas polêmicos com defesa de teses de relevante interesse social.

“É um concurso jurídico que contribui de forma excepcional para a melhoria do ensino jurídico, propiciando o desenvolver dos bons talentos acadêmicos do Estado do Amazonas ao instigar o debate de temas relevantes do Direito”, disse o presidente da Comissão de Aperfeiçoamento Jurídico da OAB-AM, Ramakris Elessondres.

As equipes irão defender posicionamentos contra e a favor a respeito de temas previamente sorteados em abril, entre eles a Redução da Maioridade Penal, Lei da Palmada e Porte de Arma para Advogados. Os embates vão ocorrer na sede da OAB-AM e também na Escola Superior de Advocacia (ESA-OAB/AM).

As universidades foram divididas em três chaves.  Duas chaves com três equipes e uma chave com quatro equipes.

Chave 01: UFAM. ESBAM. UNIP.

Chave 02: CEULM/ULBRA. Nilton Lins. UNINORTE.

Chave 03: FMF/Wyden. La Salle. Santa Tereza. UEA-Manaus.

De cada chave serão classificadas as duas melhores faculdades, totalizando seis que irão para a próxima fase. Na fase seguinte, mais duas faculdades serão classificadas, pelo critério de 1º e 2º melhor terceiro colocado, totalizando oito equipes para os próximos quatro confrontos. A grande final será dia 31 de maio.

 

Artigo anteriorExame de Ordem – Resultado
Próximo artigoNOTA – TRAGÉDIA NO SISTEMA PRISIONAL