OAB-AM realiza IV Congresso de Direito Tributário

55

Considerado o maior da Região Norte, o IV Congresso de Direito Tributário da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Amazonas, iniciou na manhã desta quarta-feira, dia 19 de outubro, com solenidade de abertura no auditório Rubi da sede da OAB-AM, localizada na Av. Humberto Calderaro, bairro Adrianópolis, zona sul.

Segundo o presidente da OAB-AM, Jean Cleuter Mendonça, o objetivo é debater e expor todas as temáticas na área tributária. “Nós vivemos na Zona Franca de Manaus que tem um sistema tributário diferenciado. Portanto, estamos distribuindo esclarecimento para a advocacia e a sociedade, para que possam defender o nosso modelo e também manter os empregos e a arrecadação de tributos”, disse.

Com o tema “Perspectivas da Tributação, Federalismo, Justiça Fiscal e Redução da Litigiosidade”, o congresso é organizado pela Comissão de Direito Tributário (CDT), da OAB-AM e traz assuntos referentes às novas tendências do mercado tributário com a presença de diversos profissionais da área.

“O congresso reflete de maneira acentuada as transformações que a advocacia brasileira e todos os operadores do direito encontrarão. Certamente, esses três dias trarão estímulos para os novos advogados e também aos advogados mais experientes na forma de atualização. Assim, estaremos  trabalhando em conjunto para aprimorar estudos futuros voltados para oferecer o melhor do direito tributário do Amazonas”, declarou a presidente da Comissão de Direito Tributário da OAB-AM, Michele Assad.

O evento segue até sexta-feira, dia 21 de outubro, com uma homenagem da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Amazonas ao ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Campbell Marques.

Acadêmicos, gestores fiscais de empresas privadas, profissionais da área contábil, direito, administração e economia participam do evento.

Créditos das imagens: Felipe Martins/ OAB-AM

Artigo anteriorOAB-AM vai sediar o IV Congresso de Direito Tributário
Próximo artigoOAB-AM realiza evento de empreendedorismo jurídico