Comissão dos Direitos dos Refugiados e Imigrantes da OAB-AM participa de acolhida aos venezuelanos no entorno da rodoviária

44

A Comissão dos Direitos dos Refugiados e Imigrantes (CODRI) da Ordem dos Advogados do Brasil/Sessão Amazonas (OAB/AM) acompanhou uma ação integrada envolvendo órgãos da Prefeitura de Manaus, Governo do Estado, Ministério Público Federal (MPF), Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Conselho Tutelar e diferentes atores da Sociedade Civil que na madrugada desta sexta-feira, 29/3, realizou o acolhimento de venezuelanos indígenas e não indígenas, identificados como público mais vulnerável que estavam acampados no entorno da rodoviária de Manaus. Até às 5h30 da manhã, mais de 100 venezuelanos já haviam sido acolhidos.

Os venezuelanos acolhidos fazem parte de um público considerado de maior vulnerabilidade e que é composto por idosos, mulheres, gestantes e famílias com crianças. Eles foram levados para dois espaços de acolhimento provisório da Prefeitura de Manaus. Antes da ação integrada, foram levantados os números de vagas disponíveis para esse novo acolhimento dos refugiados acampados na rodoviária.

No abrigo do bairro Alfredo Nascimento, na zona Norte, a capacidade de acolhimento é de até 100 venezuelanos indígenas da etnia Warao. Já no abrigo do Coroado, na zona Leste, foram disponibilizadas 110 vagas para os não indígenas.

“A comissão não tem medido esforços, no sentido de viabilizar e assegurar diariamente os direitos dos refugiados. Acreditamos que parcerias como essa só fortalecem o trabalho e intensificam os resultados, na busca por uma sociedade mais igualitária”, destacou a presidente da CODRI, Raquely Portela Malveira.
Dados da Polícia Federal apontam que houve aproximadamente 14 mil solicitações de refúgio, apenas nos anos de 2017 e 2018 em Manaus”, disse a presidente da CODRI-OAB/AM, Raquely Portela.

Semcom/PMM